BLOCO DE ESQUERDA

maio 14, 2007 at 2:18 am Deixe um comentário

Atualmente tenho percebido que está mais fácil acompanhar a conjuntura nacional pela imprensa internacional que através da mídia brasileira, que tem servido mais de porta-voz dos grupos econômicos ou dos interesses políticos locais. Tenho observado muito o portal do El Pais, que tem surpreendido com uma cobertura jornalística digna de nota.

 Transcrevo abaixo a matéria que saiu no Portal do Jornal EL PAÍS nesta sexta (11/05/2007) sobre o nosso Bloco de Esquerda e suas candidaturas em 2008.

 Me chamou a atenção o que saiu sobre Belo Horizonte, que ficou fora do processo. Agora, nos resta decifrar o enigma: por quê BH estaria fora? 
BRASIL – Bloco de esquerda disputa pelo menos 19 capitais em 2008 BRASÍLIA (Reuters) – O bloco de esquerda, formado por seis partidos, sem o PT, lança um manifesto no dia 22 de maio, e já decidiu que terá candidatos próprios em quase todas as capitais do país.O manifesto do bloco, formado por PSB, PCdoB, PDT, PMN, PAN e PHS, será a espinha dorsal para um programa eleitoral futuro. Nos bastidores, um mapa eleitoral preliminar começou a ser construído.De acordo com cálculos iniciais dos partidos do bloco, haverá candidaturas próprias em pelo menos 19 capitais do país. As outras sete, Salvador, Recife, Fortaleza, Macapá, Belém, São Luís e Belo Horizonte, são classificadas como críticas por não haver acordo dentro do próprio bloco ou porque há alianças muito sólidas com o PT.“Teremos candidatos competitivos nos 120 maiores municípios do país, fora as candidaturas simbólicas. Temos problemas em alguns lugares, mas haverá consenso no momento certo”, garantiu Márcio França.“O bloco veio para ficar”, acrescentou.Em algumas das grandes capitais, o bloco chega a ter três potenciais candidaturas. Em São Paulo, são cogitados Aldo Rebelo (PCdoB), Luiza Erundina (PSB) e Paulo Pereira da Silva (PDT), da Força Sindical. No Rio de Janeiro, aparecem Jandira Feghali (PCdoB), Miro Teixeira (PDT) e a possibilidade de uma aliança com Marcelo Crivella, do PRB, partido próximo ao bloco. Em Porto Alegre, despontam os nomes de Manuela d’Ávila (PCdoB), Beto Albuquerque (PSB) e Vieira da Cunha (PDT).“Se não houver acordo, teremos o compromisso de aproximação em segundo turno”, disse o líder do bloco.APOIO A LULAO manifesto do bloco, ao qual a Reuters teve acesso, reafirma o compromisso com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com a minuta do “programa comum”, submetida a ajustes finais, o grupo reitera a tarefa de “apoiar e aprofundar” o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).“No documento, reforçamos o apoio ao presidente Lula, não ao PT. Simbolicamente, estamos consolidando nossa posição como força política”, disse à Reuters o líder do bloco, deputado Márcio França (PSB-SP).O texto defende a “autonomia do governo para definir sobre a política macroeconômica”, mas reforça a necessidade de uma ação política para que se “efetive o compromisso de aprofundar a redução da taxa de juros” e pede por um Banco Central “integrado e subordinado ao plano nacional de desenvolvimento.”O bloco nasceu de uma união parlamentar para apoiar o então candidato Aldo Rebelo na disputa pela presidência da Câmara contra Arlindo Chinaglia (PT-SP). Durante o embate, travado dentro da base de apoio ao Palácio do Planalto no início deste ano, o petista acabou conquistando o apoio do gigante PMDB e venceu o confronto, provocando fissuras na tradicional aliança.O distanciamento em relação ao PT não significa, no entanto, riscos à atual coalizão partidária.“O futuro do bloco depende, inclusive, do êxito do governo Lula. Vamos ter uma política de portas abertas, com prioridade para o bloco e para políticos que integram a base do governo”, ponderou Aldo Rebelo.O plano para a formação do bloco de esquerda, chamado de “bloquinho” no Congresso, sobretudo por integrantes do PT que não vêem viabilidade política na aliança, resgata uma proposta política de 1989, quando a coligação Frente Brasil Popular lançou Lula à Presidência. Apesar da derrota, o desejo de conquistar espaços, já protagonizados pelo PT, começou a ser alimentado.Formalmente, o bloco de esquerda tem a representação de cinco governadores, 78 deputados federais e oito senadores. Na sociedade civil, controla a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a segunda maior central sindical do país, a Força Sindical.Conta, ainda, com a possibilidade de lançar o deputado Ciro Gomes (PSB-CE) à Presidência da República em 2010.
 
 

Anúncios

Entry filed under: política.

Blog; um novo meio fazer política A QUEBRA DAS PATENTES

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Carlin PCdoB

Carlos Magno de Moura Soares, o Carlin, é Deputado Estadual pelo PCdoB de Minas Gerais, eleito com 21.048 votos. Nascido no dia 29/02/1968, na pequena cidade mineira de Virgolândia, no Vale do Rio Doce. Filho de lavradores ele é um dos mais novos da família de 13 irmãos. Carlin iniciou sua militância política ainda jovem atuando no movimento estudantil. Chegou à vice-presidência da União Nacional dos Estudantes (UNE). Formou-se em Jornalismo pela PUC-Minas e em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), onde também cursou seu Mestrado. Foi o primeiro vereador eleito pelo PCdoB em Contagem, onde teve um mandato marcado pela participação popular.
maio 2007
S T Q Q S S D
« abr   jun »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Últimas do Blog

RSS Carlin RSS

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Feeds


%d blogueiros gostam disto: